Número total de visualizações de página

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Cavaco Silva pode ter que tomar a mesma atitude do ex presidente Jorge Sampaio e demitir o Governo


ENTREVISTA PEDRO LAINS

"Portugal vai pedir a reestruturação da dívida em 2013"

por João Céu e SilvaOntem235 comentários
O economista e historiador Pedro Lains considera que Portugal e a Grécia "são a mesma coisa". Para o investigador, a austeridade promovida pelo Governo "a um nível esmagador" só tem paralelo na Europa na Grécia e que o país, ao entrar no terceiro ano de uma intensa austeridade, vai ter mais dificuldades em controlar o défice e o crescimento da dívida.
"Portugal vai-se apresentar, algures em 2013, em Bruxelas a pedir uma reestruturação da dívida.", acredita.
Explica que uma das razões para o Governo seguir este caminho de contração reside na pressão da banca portuguesa: "O sistema financeiro foi o único setor da economia que cresceu em 2012."
Segundo Pedro Lains, as soluções para Portugal e a Grécia estão a ser iguais: "Vemos na Grécia muitas manifestações e instabilidade política e em Portugal não. É que o problema na Grécia começou mais cedo e os problemas surgiram antes. Portugal está no mesmo caminho.
Quanto ao memorando assinado com a troika, o investigador afirma que "já deveria ter desaparecido e se o Governo quisesse já o podia ter deitado fora com o acordo das instituições internacionais. O memorando teve a evolução que o Governo quis e se o Governo tivesse mostrado uma certa rebeldia, a Alemanha não teria um caso para poder reportar como o de as suas opções serem as mais indicadas."
Para Pedro Lains, há uma falha no sistema democrático português: "Falta o escrutínio da saúde dos dirigentes." Segundo o investigador, que foi alertado para o tema devido a uma pesquisa no Google sobre Cavaco Silva, não há uma preocupação como "nas democracias avançadas de publicar boletins sobre a saúde" dos políticos.
Acha que Cavaco Silva pode ter que tomar a mesma atitude do ex presidente Jorge Sampaio e demitir o Governo: "Não se pode excluir essa hipótese. Por isso é que eu quero o Presidente na plena capacidade das suas forças. Sem dúvida, em 2013 isso pode acontecer. Quando tivermos uma contração, outra vez de 3, 4 ou 5% da economia, pode ser preciso mudar a política; aligeirar o ritmo de cumprimento dos défices de redução da dívida, ou renegociar noutros termos, e civilizadamente, a dívida. É isso, se calhar, que irá fazer outro governo ou outro ministro das Finanças. Um ministro das Finanças político, que era o que eu agora queria."

De [Capitão a Coronel em TGV]


Morreu o coronel e militar de Abril Marques Júnior

O coronel Marques Júnior, capitão de Abril e atual presidente do Conselho de Fiscalização do Sistema de Informações, morreu hoje aos 66 anos, vítima de AVC. Estava internado desde quarta-feira devido a um derrame cerebral. O velório realiza-se hoje na Basílica da Estrela, em Lisboa.

(CORONEL) DO SISTEMA POLITICO QUE TEMOS....

AI MARQUES JÚNIOR, MARQUES JÚNIOR...




Confesso que fiquei chocado com o despacho que mão amiga me fez chegar, em que o meu antigo colega da Academia Militar Marques Júnior (veja a biografiaaqui) teve a sua carreira militar reconstituída, reingresso no Quadro Permanente, promoções de rajada a coronel, sem perder pitada da vida pela qual optou (carreira política) livremente, sem ninguém o forçar a tal.
Aparece agora como deficiente das Forças Armadas: devem estar a gozar com a nossa cara... mas até pode ser que seja; que dizer?!
Eu perceberia (enfim, pelo menos acharia alguma lógica) se o Marques Júnior se arrependesse do caminho que tomou depois do 25 de Abril, apagasse a carreira política e recuperasse a carreira militar. Isto, claro, desde que devolvesse os carcanhóis que ganhou como político; sem isso, vai recuperar a carreira de que desistiu, mantendo todas as mordomias e benefícios da que seguiu, em clara vantagem sobre os colegas que seguiram a carreira militar, com as suas chatices e as suas virtudes.
Mas afinal, por que carga de água se faz a reconstituição de carreiras? A ideia era compensar aqueles que foram prejudicados na carreira militar por terem participado no 25 de Abril e que, por isso, foram preteridos por quem manteve poder na tropa e não lhes perdoou essa tomada de posição.
A realidade é outra: a reconstituição de carreiras destina-se a forçar a promoção a coronel de todo o bicho careto que andou pelas politiquices de direita e esquerda, passou à reserva num posto baixo (major...) e, não tendo triunfado na política nem nos negócios voltam agora ao seu lugar à mangedoura, alegando terem sido prejudicados pela sua meritória passagem pela defesa das liberdades do povo (!).
É um reconhecimento da menoridade e irresponsabilidade dos militares que nem sequer assumem as consequências das suas escolhas - para o bem e para o mal.
Garante-se assim que todo o oficial chega a coronel (e cabos a sargentos - conheço alguns casos...) por muita asneira que tenham feito do 25 de Abril até aqui.
E nós sustentamos esse regabofe...
Vejam aqui o comentário ácido, como não podia deixar de ser, de um coronel - verdadeiro, não chegou lá por via da reconstituição da carreira...


Morreu Mike Hopkins


Morreu Mike Hopkins, vencedor de dois Óscares, afogado na Nova Zelândia

O vencedor de dois Óscares na categoria  de melhor edição de som, Mike Hopkins, morreu afogado num acidente de rafting  na Nova Zelândia, informou hoje a polícia.  
O neozelandês tinha 53 anos e morreu no sábado, na sequência de um acidente  numa região remota de Tararua Ranges, na Ilha Norte. 
Os dois companheiros de rafting de Mike Hopkins sobreviveram ao acidente.
Mike Hopkins ganhou os óscares de melhor edição de som pelos trabalhos  nos filmes "The Lord of the Rings: The Two Towers", em 2003, e "King Kong",  em 2006. 
O neozelandês também participou noutras películas como "Blade Runner",  "Superman", "The Last Emperor" e "Octopussy". 

Madeira como sempre....esconde-se nos seus próprios buracos


TRIBUNAL DE CONTAS
Governo da Madeira lesou orçamento em 300 milhões

Governo da Madeira lesou orçamento em 300 milhões

28 dezembro 201251 comentários
O executivo de Alberto João Jardim não observou o disposto em vários artigos do Regime Jurídico das Parcerias Público Privadas que exigia uma avaliação prévia das vantagens comparativas da PPP relativamente...

Fator de Sustentabilidade das Pensões – 2013 (Portaria nº 429/2012)


 A Portaria n.º 429/2012 do Ministérios das Finanças e da Solidariedade e da Segurança Social publicada a 31  de dezembro de 2012 estabelece o Fator de Sustentabilidade a aplicar às pensões iniciadas em 2013. O nosso artigo “Factor de Sustentabilidade das Pensões – 2013: reformadospodem perder cerca de 4,8% da pensão (revisto III)” antecipou co mrazoável precisão o que agora se torna oficial. Eis o excerto mais relevante da portaria que agora se publica:
“(…) Com a disponibilização dos dados definitivos dos Censos, realizados de 10 em 10 anos (os últimos foram em 2001 e 2011), são revistos os valores das séries de estimativas de população residente intercensitárias, com base nos valores da série definitiva da população que incorpora os valores dos Censos e é iniciada uma nova série de estimativas anuais de população residente pós-censitárias.

A revisão dos valores das séries de estimativas de população residente intercensitárias implica, consequentemente, uma revisão dos valores da esperança média de vida aos 65 anos de idade anteriormente divulgados pelo INE.
Assim, de acordo com os dados publicitados recentemente pelo INE o indicador da esperança média de vida aos 65 anos verificada em 2006 é de 17,94, valor este que passa a ser definitivo, e o correspondente a 2012 é de 18,84.
Deste modo, tendo em conta o indicador da esperança média de vida aos 65 anos verificada em 2006 e em 2012, publicitados pelo INE, o fator de sustentabilidade aplicável às pensões iniciadas em 2013 é de 0,9522.  (…)”

sábado, 29 de dezembro de 2012

Governo dá 9 meses à Vinci para pagar a totalidade da ANA


Os franceses da Vinci vão pagar 3.080 milhões de euros pela aquisição de 95% do capital da ANA

Quando é que Joe Berardo nos devolve o dinheiro? Henrique Raposo (www.expresso.pt)


Nesta terra de Deus, as coisas têm um prazo de validade de iogurte de marca branca. 

Já ninguém fala de Joe Berardo e das negociatas que envolveram CGD e BCP, mas convém recordar a brincadeira . 
.
Além de apontar para a típica impunidade das personagenzinhas de 'Lesboa', a tal brincadeira vai custar-nos dinheiro. Sim, a nossa carteira vai ser chamada ao assunto.

.
Joe Berardo recebeu da CGD cerca de mil milhões de euros para comprar 5% do BCP, e deu como garantia as próprias acções do BCP. Se tudo corresse bem, Berardo vendia as acções e ficava com o dinheiro. É o que se chama ficar-rico-sem-mexer-uma-palha. Se tudo corresse mal, o prejudicado era a CGD, isto é, o dinheiro dos contribuintes. 
.
Como se sabe, a realidade optou pela segunda via. Acções que valiam mil milhões em 2007 valem hoje um décimo desse valor. Mas, atenção, o esqueminha não acaba aqui. Os 5% comprados com o dinheiro da CGD bastaram para Joe Berardo ajudar a colocar os administradores da CGD, Vara e Santos Ferreira, ao comando do BCP. 
.
Primeira pergunta: num país com tantas leis, não existe por aí uma alínea que considere isto um crime? Esperemos sentados. Segunda pergunta: quem é que paga a conta final desta OPA chico-esperta? Nós. O empréstimo da troika tem lá uns milhões para o sistema bancário, e as imparidades da CGD estão em níveis gigantescos. Só no ano passado chegaram aos 1,2 mil milhões, e este valor continuará a marcar as imparidades do banco estatal nos próximos anos. 
.
Mais cedo ou mais tarde, a CGD realizará aumentos de capital para tapar o buraco, isto é, acabará por receber mais dinheiro dos nossos impostos.

.
Ora, naquele mar de imparidades confirmadas, está já incluído o dinheiro emprestado a Berardo? Se sim, quando é que o sujeito nos devolve o dinheiro? Mais: já que o Ministério Público não vê na negociata um crime mais explícito, não podemos ver ali um daqueles crimes implícitos, assim ao jeito de gestão danosa? Os gestores que deram os créditos que geraram semelhante mar de imparidades não deviam ficar impunes. Mas, claro, a impunidade é o nome do meio desta terra de Deus.  

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Poucos com tanto e muitos com tão pouco....


30 gestores recebem mais de um milhão de euros por ano

Publicado às 00.00

TIAGO FIGUEIREDO SILVA
 
 
30 gestores recebem mais de um milhão de euros por ano
 

A crise não parece ter atingido os gestores das empresas portuguesas cotadas na Bolsa - 30 administradores executivos receberam, no ano passado, mais de um milhão de euros de salário e os órgãos de administração das 44 empresas da Euronext Lisbon viram a remuneração aumentar em mais de 4%. Os números constam no Relatório Anual sobre o Governo das Sociedades Cotadas relativo ao exercício de 2011, divulgado pela CMVM.
De acordo com o documento, os administradores-executivos receberam uma remuneração total de 102 milhões de euros. "30 administradores-executivos receberam mais de um milhão de euros, tendo o valor máximo sido de 2,72 milhões de euros", revela o documento, sem revelar nomes ou especificar as empresas.

Fotos de criminosos estrangeiros búlgaros e georgianos que operam em Portugal - IMPORTANTE!!!!




Interessante também ver as ferramentas utilizadas. 

Não há trancas à porta que resistam.   

Só alarmes.
ATT00001.pdfATT00001.pdf
1328K   Visualizar   Transferência  

UM VERDADEIRO ARTISTA PORTUGUÊS (PICADO DAQUI)


No caderno de "Economia-Expresso" [edição do passado dia 22-Dezembro], Nicolau Santos, director-adjunto do semanário, iniciou o seu habitual artigo semanal "Cem por Cento" com:
"Artur Baptista da Silva é um ilustre desconhecido para a maioria dos portugueses. Mas não devia ser um ilustre desconhecido para o Governo. Em primeiro lugar porque coordena a equipa de sete economistas que o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, decidiu criar para estudar o risco geopolítico e social na Europa do Sul (...). E em segundo, porque é ele que ficará encarregado do Observatório Económico e Social das Nações Unidas para a Europa do Sul, a instalar em Portugal a partir de 2013".
Na véspera, no programa "Expresso da meia-noite", na SIC N, apresentado por Nicolau Santos, o "professor doutor Artur Baptista da Silva" foi um dos convidados, onde "deu uma lição de cátedra".
 O cidadão Artur Baptista da Silva teve o azar de ser reconhecido e identificado com o mesmo cidadão que, ao longo dos últimos anos, teve iniciativas similares, embora em níveis mais simples, de insinuar-se como senhor de . . . ..


Reconhecido na TV, de imediato se ficou a saber quem era o verdadeiro "professor doutor"; o "ex-deputado da Constituinte"; o "consultor do Banco Mundial"; o "representante da ONU"; etc.
Este rápido aparecimento e a velocidade supersónica como foi promovido pelos media, levanta uma questão pertinente que ontem, o prestigiado jornalista Ferreira Fernandes, na sua coluna "Um ponto é tudo", no DN, escreveu:
"Os açulados que se atiram aos jornalistas por causa do aldrabão que se dizia da ONU encontram em mim um aliado: sim, o nosso jornalismo é, com exceções, uma bosta. (....)".
Tenho grandes dificuldades em perceber o que leva o grupo empresarial de Pinto Balsemão a dar guarida, no semanário Expresso (entrevista a 15-Dezembro); na SIC N, no programa "Expresso da meia-noite" (21-Dezembro) e na edição do Expresso (22-Dezembro), em artigo tão elogioso, pela mão do director-adjunto, a um "ilustre desconhecido".
Nos últimos 4 dias os portugueses ficaram a conhecer parte do verdadeiro curriculum vitae do cidadão Artur Baptista da Silva [ABS].
Conheci ABS em finais da década de 70, quando foi de jogador e seccionista de andebol num Clube da linha do Estoril.
Pessoa afável, desenrascado, prestável e de fácil discurso.
Anos mais tarde, quando leccionava numa Escola de Ensino Superior privado, cruzei-me com ABS e no ano 1991 encontrei-o no Ministério da Educação (já com o título de "professor doutor"), onde apresentou um documento-projecto para a instalação de um curso de Medicina em Viseu.
Ao longo destes anos verifiquei que ABS, nas suas dinâmicas actividades, estava sempre bem encostado. A sua postura facilitava os contactos. De vez em quando tinha informações das habilidades e sustos porque ABS passava mas, diziam-me, "vai-se safando".
Desta vez, a minha surpresa, foi o facto de ABS se ter "encostado" à ONU. Se este "encosto" me deixou surpreendido, interrogo-me: como foi possível certos órgãos da comunicação social terem dado esta guarida a ABS?
Sinceramente, gostava de entender.
O "professor doutor Artur Baptista da Silva" revelou-se um "verdadeiro artista português" e brincou com certos jornalistas (que andam sedentos de "certas" notícias) e Instituições que, à partida, deviam ter outros cuidados.
Quando, na passada sexta~feira, vi o Baptista da Silva no "Expresso da meia-noite" [SIC N],  com toda aquela conversa (que calou os outros convidados) fiquei surpreendido mas, nestes dias, perante as "habilidades" do Artur Baptista da Silva, confesso que me tenho rido. 
De facto, há jornalistas que merecem cruzar-se com os Arturesdeste país.

NOTA - Leio que "meio-mundo" vai processar Artur Baptista da Silva. Fico à espera. Não seria preferível que Nicolau Santos apresenta-se a demissão de director-adjunto do Expresso?

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Recibos verdes mudam de nome a passa a chamar-se facturas eletrónicas.


É notícia mas não passa de uma alteração formal; os recibos verdes, a partir de 1 de janeiro de 2013, devem mudar de nome para faturas eletrónicas.
Os documentos continuarão a ser emitidos gratuitamente por via eletrónica através do Portal das Finanças, provavelmente deixando de surgir identificados no local habitual para aparecerem numa área destinada a “faturas eletrónicas” mas, para já, não se anunciam mais mudanças.

Bom Ano


SE EU PODIA TER OPTADO POR OUTRO TIPO DE IMAGEM PARA VOS DESEJAR UM BOM ANO???!!
PODER, PODIA, MAS NÃO ERA MESMA COISA!!!!!!!

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

BPN: "OS PULHAS POLÍTICOS"


Em princípio, não deveríamos ser os mesmos depois do caso BPN. Na prática, o julgamento político deste caso nunca foi cabalmente feito. Que pensava esta gente? Que pensavam eles quando lhes era proposto um negócio de compra e recompra de ações que só poderia cheirar a esturro? Até o Presidente da República fez esse negócio. Nunca tivemos direito a uma explicação séria: o que sentiu? Lembrou-se do país no momento em que fez o negócio?
26 Dez, 2012 Rui Tavares, Público

Mensagem do nosso [Pedro/Laura]


Amigos,

Este não foi o Natal que merecíamos. Muitas famílias não tiveram na Consoada os pratos que se habituaram. Muitos não conseguiram ter a família toda à mesma mesa. E muitos não puderam dar aos filhos um simples presente.


Já aqui estivemos antes. Já nos sentámos em mesas em que a comida esticava para chegar a todos, já demos aos nossos filhos presentes menores porque não tínhamos como dar outros. Mas a verdade é que para muitos, este foi apenas mais um dia num ano cheio de sacrifícios, e penso muitas vezes neles e no que estão a sofrer.

A eles, e a todos vós, no fim deste ano tão difícil em que tanto já nos foi pedido, peço apenas que procurem a força para, quando olharem os vossos filhos e netos, o façam não com pesar mas com o orgulho de quem sabe que os sacrifícios que fazemos hoje, as difíceis decisões que estamos a tomar, fazemo-lo para que os nossos filhos tenham no futuro um Natal melhor.

A Laura e eu desejamos a todos umas Festas Felizes.

Um abraço,
Pedro.

PORTUGAL A SAQUE....NOVO ALERTA DO TC


Tribunal de Contas lança nova alerta contra política de alienação de património do Estado

Todos os imóveis adquiridos por empresas públicas foram alienados por ajuste directo (...) uma prática que já foi objecto de apreciação crítica do Tribunal visto que o recurso sistemático ao procedimento de ajuste directo desvirtua o regime legalmente previsto, pondo em causa os princípios da transparência e da concorrência que devem estar presentes nos procedimentos de contratação pública", critica o Tribunal de Contas (TC).

Não ao VOTO.....


Maus Caros,

Estava a admitir, nas próximas eleições, votar em branco ou nulo (... já não acredita em nenhuns...) mas aparece-me uma opção que até me dá menos trabalho...

Pura e simplesmente, Não ir lá...

Porquê?

Porque de acordo com a Lei do Financiamento dos Partidos Políticos e das Campanhas Eleitorais: Lei 19/2003, de 20 de Junho, com as alterações introduzidas pelo Decreto-lei 287/2003 de 12 de Novembro, Declaração de Retificação n. 4/2004 de 9 de Janeiro, Lei n. 64-A/2008, de 31 de Dezembro e Lei 55/2010, de 24 de Dezembro, cada voto vale para os partidos políticos 1/135 do salário mínimo nacional por cada ano da legislatura... ou seja, atualmente, 3,60 Euros por voto, por cada ano da legislatura (isto é, 14,40 Euros pelos 4 anos).

Mesmo no caso dos votos em branco ou nulos, esse valor é distribuído por todos os partidos concorrentes às eleições; logo, só se eu me abstiver de ir votar é que o valor do meu voto não é distribuído pelos partidos concorrentes às eleições...poupando essa despesa ao Estado.

Se os 5 milhões de eleitores não comparecerem às eleições (deixando-os ficar a falar sozinhos...e a nomearem-se uns aos outros...assim como assim o resultado prático será o mesmo...) poupam ao país mais de 78 milhões de Euros!

Isto, meus amigos, são FACTOS.

Colaboremos pois com a austeridade, ajudando a reduzir a despesa do Estado! É por uma boa causa! 
Aqui fica à vossa consideração. E que é atraente, lá isso é... 

Burlão plagiou tese de quadro do Banco Mundial

Informação da SICNotícias
Artur Baptista da Silva intitulava-se professor catedrático.
Artur Baptista da Silva intitulava-se professor catedrático.Fotografia © Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

Nos seus contactos profissionais, Artur Baptista da Silva fornecia a "sua" tese de doutoramento, "Growth, Inequality and Poverty, Looking Beyond Averages", um documento plagiado a um quadro do Banco Mundial.
Para além de consultor das Nações Unidas, Artur Baptista da Silva intitulava-se professor catedrático, com o grau obtido numa universidade americana com a tese ""Growth, Inequality and Poverty, Looking Beyond Averages", a qual fornecia aos seus interlocutores. Porém, trata-se (ver ficheiros em anexo) de um plágio de um trabalho de Martin Ravallion, quadro do banco Mundial.


Quem é afinal Baptista da Silva?

Não se apagaram ainda os ecos das intervenções mediáticas do falso funcionário da ONU,Artur Baptista da Silva, que veio dizer à RTP, por  sms, que está a ser “alvo de chacina de carácter”  (link indisponível).  O Expresso e Nicolau Santos pediram desculpa, reconhecendo que erraram  ”ao dar como adquirido que a informação que  estava a ser prestada era fidedigna e não carecia de confirmação.”
cartão de Batista da Silva
O cartão de visita com que se apresentou ao Expresso mostra que o homem cuidou de construir a personagem  de funcionário da ONU usando rituais e símbolos socialmente aceites: o cartão de visita e “uns papéis” do seu estudo,  como disse Nicolau Santos na Antena 1. Todos, mesmo os que agora se mostram indignados, acreditaram nele ou, pelo menos, não duvidaram da sua identificação, desde ministros que com ele integraram “comissões de honra”, até economistas, gestores, académicos, entre outros, que com ele participaram em eventos e debates públicos.
Mas há várias coisas estranhas e curiosas neste caso:
- Até ao momento não se sabe verdadeiramente quem é nem o que faz a criatura. O DN afirma que «nos seus contactos profissionais, Artur Baptista da Silva fornecia a “sua” tese de doutoramento, “Growth, Inequality and Poverty, Looking Beyond Averages”, um documento plagiado a um quadro do Banco Mundial.» Mas os textos a que o DN chama “teses”, não são teses mas sim artigos académicos de 27 páginas, sem identificação da data e local de publicação.
- Também não se sabe como é que Baptista da Silva foi convidado pelo Grémio Literário para ser orador numa conferência, se foi ele que se ofereceu, como fez com o Expresso, e nesse caso se a ONU foi contactada pelos organizadores ou como é que ele conseguiu insinuar-se junto de tão prestigiada instituição.
- Também não se compreende como é que até agora a ONU não se pronunciou, dado o impacto, até internacional, do assunto e a usurpação e abuso feitos do nome da organização.
- Depois,  como é que este homem anda a enganar tanta gente há tanto temposem ser descoberto?
- Há também o facto, não dispiciendo, de em Portugal haver muitos doutores só de nome sem que ninguém se incomode com isso, porque não só estes ao ser chamados “doutores” se sentem  mais importantes, como também quem assim os nomeia se sente “promovido” por tratar com um “doutor”.
- Finalmente, o mais importante é o facto de o “falso” Baptista da Silva ter surgido num momento em que o discurso governamental  é incoerente e sem credibilidade, constantemente desmentido por  instituições nacionais e internacionais e pela realidade vivida pelos portugueses. O terreno estava, pois, preparado para acolherum discurso diferente e que pareceu coerente, que devia, apesar de vindo de um impostor, ser desmontado.

1. 

Oopst….o impostor sabia demais

2.

A ONU puxa as orelhas ao governo português

A TESE DE DOUTORAMENTO DO QUADRO DO BANCO MUNDIAL A TESE DE DOUTORAMENTO DE ARTUR BAPTISTA DA SILVA 


País

ONU confirma burla de Artur Baptista da Silva


Agora são as próprias Nações Unidas que confirmam que Artur Baptista da Silva não está ligado à ONU. Numa resposta à Agência Lusa, Adam Rogers, responsável do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, diz que desconhece o incidente em Portugal e confirmou que Artur Baptista da Silva não faz parte da organização.

FRANCESES (Junot) VOLTA Á CARGA


PRIVATIZAÇÃO

Franceses bem colocados para vencer ANA

por Dinheiro Vivo24 dezembro 2012
Concessão vai durar 50 anos.
Concessão vai durar 50 anos.Fotografia © DR
Com ou sem TAP, a privatização da ANA vai mesmo ficar fechada este ano e no dia 27 de dezembro, na reunião do Conselho de Ministros, será anunciado o vencedor. A Parpública, que tinha até ontem para terminar a análise das ofertas, já terá entregue ao Executivo o relatório onde dá o seu parecer sobre qual a melhor das quatro propostas, sendo que neste momento os franceses são os mais bem colocados, segundo apurou o Dinheiro Vivo.

Observatório - deveria dizer NACIONALIZAR TODAS AS PPP


Concessões Observatório das PPP aconselha Estado a comprar ex-Scut
O Observatório das PPP sugere que o Estado compre os contratos das antigas sete auto-estradas sem custos para o utilizador (Scut), como forma de reduzir os encargos totais com estes projectos, noticia esta quarta-feira o Jornal de Negócios.
Observatório das PPP aconselha Estado a comprar ex-Scut
DR
ECONOMIA


SENÃO VEJAMOS:
EM SETEMBRO A SITUAÇÃO ERA ESTA:

11 Set 2012
http://economico.sapo.pt    
Nuno Miguel Silva     

Estudo da Ernst & Young sobre PPP conclui que existem cinco concessões falidas e outra na iminência de falir.
Três concessionárias de auto-estradas lideradas ou participadas pela Brisa, duas geridas pela Ascendi (controlada pela Mota-Engil e pelo Grupo Espírito Santo) e uma da Somague entraram ou estão prestes a entrar em estado técnico de falência. No total, estão em causa cerca de 640 quilómetros de auto-estradas que, actualmente, não são financeiramente sustentáveis. Esta é uma das principais conclusões do estudo da Ernst & Young sobre 36 contratos de Parcerias Público-Privadas (PPP) e concessões em Portugal, a que o Diário Económico teve acesso.(...) LER MAIS 

NOTICIAS DE OUTROS TEMPOS

22 Set 2011
Revista de Imprensa   www.jn.pt Escreve hoje o Jornal de Negócios que as novas concessões vão custar ao contribuinte 400 milhões de euros por ano. A partir de 2014, quando a Estradas de Portugal começar a pagar as sete novas concessões, terá "avultados encargos líquidos anuais" até 2030, diz a Inspecção-Geral das Finanças. Segundo o Jornal de Negócios os encargos que a Estradas de Por...

ROUBALHEIRA - MAS NINGUÉM VAI PRESO


Relatório Venda de património público foi feita em "condições onerosas" para o Estado
A venda de imóveis às empresas públicas entre 2006 e 2011 foi feita em "condições especialmente onerosas" para o Estado devido ao incumprimento dos prazos contratuais, revela um relatório do tribunal de Contas (TC) esta quarta-feira publicado.
Venda de património público foi feita em condições onerosas para o Estado
Lusa
ECONOMIA





Afinal de quem ESTAMOs a falar?

HISTÓRIA DA EMPRESA
A Estamo foi constituída em 9 de Setembro de 1993, com o capital inicial de 2.974.000 euros.
Em finais de 2007, no seguimento da fusão por absorção na Estamo do património da empresa Locacest – Sociedade de Gestão e Investimento Imobiliário, SA, o seu capital social foi aumentado para 5.129.575 de euros.
A Estamo é a empresa do grupo Sagestamo vocacionada para a compra ao Estado ou a Outros Entes Públicos e a privados de imóveis para revenda, para arrendamento ou para alienar após acções de promoção e valorização imobiliária dos mesmos.
ORGÃOS SOCIAIS


 
Assembleia Geral  
 Presidente Carlos Manuel Martins da Palma
 Secretário
 Lígia Maria do Nascimento Messias de Jesus
Conselho de Administração       
  
 Presidente Francisco António Lobo Brandão Rodrigues Cal
 Vogal Executivo João Filipe Rodrigues de Oliveira Ondas Fernandes
 Vogal Executivo Hermínio Carreira Querido 
Fiscal Único
  
 EfectivoEugénio Cristóvão Coelho Ferreira da Costa (ROC nº 576)
 Suplente Silva Neves e Teresa Marques (SROC nº 141), represen. por Dr. Joaquim Manuel da Silva Neves (ROC nº 421)
Versão para impressão
PDF
REMUNERAÇÃO DOS ORGÃOS SOCIAIS
    Remuneração dos órgãos Sociais - 2008 
    Remunerações e outros Encargos com Administradores da Estamo -  2008



ESTAMO[S] a ver:
  1. Estamo processa denunciante
  2. Costa negociou protocolo com a Estamo sem nada dizer à câmara
  3. Esclarecimento da ESTAMO
  4. nova taxa abrange 120 imóveis da empresa pública estamo

A MINHA MÚSICA

Loading...

Pesquisar neste blogue

Seguidores

Governo Moçambique

Governo de Macau

Governo Cabo Verde

Governo Angola